NOS CÉUS DE APARECIDA

21 de novembro de 2016

icamento-construcaoNão é difícil erguer as mãos para os céus, ainda mais quando se está diante de um ícone da religiosidade católica brasileira – a Basílica de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida do Norte (SP). Exceto quando essas duas mãos transcendem a forma humana, tendo saído da prancheta do arquiteto Oscar Niemeyer para ganhar corpo em uma estrutura metálica com altura de 36 metros e peso de 65,7 t. Assim é o campanário dos sinos erguido pela Guindastes Tatuapé no santuário, em uma operação que durou apenas duas horas – das 9h30 às 11h30 do dia 5 de maio passado – e que lhe confere, agora, o prêmio Top Crane’2016, na categoria Case – Construção, do grupo Içamento.

Sob o gerenciamento da Lótus Implantação de Projetos, contratada pelo templo e que por sua vez contratou a IPS Engenharia para elaborar o Plano de Rigging, a Tatuapé empregou dois guindastes telescópicos Liebherr, um LTM 1500-8.1, com capacidade para 500 t (equipamento principal), e um LTM 1750-9.1, para 750 t (secundário), ambos montados em dois dias e desmontados em outros dois por um terceiro modelo, o BR 750, da XCMG, para 75 t. Para a movimentação dos contrapesos e acessórios dos guindastes foram utilizados 20 veículos de transporte.

A escolha do LTM 1750-9.1 e do LTM 1500-8.1 foi determinante para definir a Tatuapé como executora do contrato diante de concorrentes que propunham a utilização de dois guindastes telescópicos com capacidade para 300 t. Não apenas pela maior mobilidade operacional dos modelos Liebherr, que eliminou a necessidade de alteração de suas configurações durante a operação, como ainda por sua capacidade de carga excedente à exigida no projeto e pelos acessórios embarcados nos equipamentos.

Para ser erguido, o campanário foi posicionado horizontalmente, tendo um dos lados de sua base fixado por duas rótulas ou mancais de articulação. Outros dois outros pontos de ancoragem foram realizados: um na ponta da estrutura, por onde ela foi erguida com o LTM 1500-8.1, e no outro lado da base, sustentado pelo LTM 1750-9.1. A transferência de carga, o momento mais crítico do içamento, se deu quando o guindaste Liebherr de 500 t atingiu o raio de 39 metros, deslocando o peso da estrutura para o modelo de 750 t. No final da operação, o LTM 1750-9.1 estava com 39 t, enquanto a carga do LTM 1500-8.1, iniciada com 28 t, foi zerada com 38 m de raio.

Consolidação

Há 56 anos atuando nos segmentos de elevação e transporte pesado de cargas, a Guindastes Tatuapé, sediada na capital paulista, integra hoje em seu portfólio operações em áreas diversificadas como a de construção civil, indústria química, petroquímica e naval, mineração e siderurgia, setor sucroalcooleiro e de energia (hidrelétricas e termelétricas), além de logística e eventos. A Tatuapé possui as certificações ISO 9001 (qualidade) e 14001 (gestão ambiental) e a OHSAS (saúde e segurança operacional) e conta com um quadro de 180 funcionários.

O parque de equipamentos da empresa inclui cerca de 200 modelos, entre guindastes sobre pneus e esteiras, guindautos, plataformas aéreas, empilhadeiras e manipuladores telescópicos, além de conjuntos transportadores.

Um dos guindastes de maior destaque na frota, além do Liebherr LTM 1750-9.1, o modelo M18000 da Manitowoc, participou recentemente de duas operações que confirmam a versatilidade de atuação da locadora. Uma delas, contratada pela Tecnomont Montagens Industriais, foi o içamento de estruturas metálicas e equipamentos industriais, totalizando cerca de 120 t, para a montagem de uma torre de ciclones na planta da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Arcos (MG). Em um segundo projeto, contratado pela Enesa Engenharia, o mesmo M18000 realizou o içamento de vários componentes para a montagem de uma estrutura metálica e da caldeira de recuperação com 220 t de peso e 110 metros de altura na unidade da Fíbria Papel e Celulose, em Três Lagoas (MS).

Leia também:

Operação: uma elevação segura em Aparecida 

Nos céus de Aparecida

 

Tags: , ,


Deixe um comentário


Veja também